quinta-feira, 7 de maio de 2015

Em pouco se diz tudo:

O meu sms de jornalista ao político Rangel,
Resumindo os episódios dum não-assunto. Um diretor do Expresso, João Vieira Pereira, escreveu um artigo de opinião sobre a política do PS e qualificou-a, assim: "Cheia de falta de coragem e reveladora da ausência de pensamento político consistente." Tem direito a dizê-lo. O responsável pela política do PS, António Costa, mandou um sms ao jornalista: "Envio-lhe este sms para que não tenha a ilusão de que lhe admito julgamentos de carácter." Outro a exercer o direito que tem. Foi isto. Um jornalista a dizer mal da política dum político e este a responder dizendo que não lhe admite o tom. No fundo, dois cidadãos exercendo o seu direito à fala - banalidade. Ora, depois de o jornalista ter publicado o sms no seu jornal, o bocejo tornou--se um caso nacional. Ontem, um político e num jornal, Paulo Rangel no Público, cunhou o caso, assim: "O sms de António Costa é um ato de bullying contra a liberdade de expressão, contra João Vieira Pereira e contra o Expresso. E o bullying intimida, condiciona e apouca." Saltamos, assim, do caso nacional para o meu caso. O que Paulo Rangel diz sobre a pequenez e a cobardia dos que exercem a minha profissão - os jornalistas seriam, para ele, mariquinhas que se borram com o sms dum político - não lhe admito. Não lhe mando um sms, porque prefiro dizer-lho na cara da próxima vez que o vir. Com palavras, exercendo o meu direito de dizer coisas. E, para dizer a verdade, só lho direi se entretanto não me esquecer.
FERREIRA FERNANDES
Ontem no DN

Sem comentários:

Enviar um comentário