terça-feira, 17 de abril de 2018

Quem não se sente:


A exibição pela SIC, com som e imagem, de alguns dos interrogatórios feitos a Sócrates – os quais apareciam como excertos mutilados do seu contexto e sequência – deu origem a uma fascinante experiência cognitiva e social. Independentemente da licitude, moralidade e intenções dos seus responsáveis editoriais, o resultado seguramente imprevisto do voyeurismo mede-se pelo alarme e confusão provocados nos broncos, nos fanáticos e nos pulhas. O pânico foi tal que se chegou a acusar a SIC de estar a fazer um favor a Sócrates. Que estava a acontecer?

Estava a acontecer algo que broncos, fanáticos e pulhas não controlavam, por ser antropológico: o que viam deixava-os com a convicção de que Sócrates era inocente. Aqueles traços caricaturais que durante anos serviram para o seu assassinato de carácter, isso de ser pintado como arrogante e irascível, estavam agora a servir como informação, como sinal, de ter razão. Ter razão para protestar, para se indignar e até para se enfurecer ao ponto de perder a cabeça e insultar as autoridades. Aquele homem que falava sem se rebaixar com os seus interrogadores não parecia ter nada a esconder, nada de que se envergonhar. Pior, aquele homem desafiava os acusadores a provarem as suspeitas, coisa que não vimos nos vídeos seleccionados. Esta imagem não é conciliável com a do Sócrates desvairadamente criminoso que não poderá escapar da choça dada a montanha de provas. Dissonância cognitiva instalada, a única solução era matar o mensageiro. A SIC, que sempre fez um jornalismo sectário e que tem participado activamente na caça a Sócrates, tinha vindo em socorro do engenheiro. É assim o pensamento mágico, faz magia.

As cadeias estão cheias de inocentes, reza a frase feita que alude à frequência com que os condenados continuam a reclamar a sua inocência. Também sabemos que é possível enganar os polígrafos. Um criminoso poderá parecer perfeitamente convincente no papel encobridor que escolher representar perante terceiros, a história policial e judicial está cheia de exemplos de todos os tempos e feitios. É o instinto de sobrevivência. Logo, para se apurarem os factos em causa nas acusações a Sócrates a sua emotividade e linguagem corporal, a sua atitude e argumentação, a sua voz e as reacções dos advogados, tudo isso é irrelevante para responder à pergunta: se foi corrompido, onde aconteceu e como aconteceu? Aparentemente, e nisso o “Face Oculta” e o modo como se condenou Vara serve de exemplo, poderá não ser necessário à Justiça portuguesa responder a essa pergunta para despachar uma condenação por “prova indirecta”. Tomando a Cofina como representante do Ministério Público de Joana Marques Vidal e Rosário Teixeira, a que se junta o juiz Carlos Alexandre, então uma das conclusões da exploração mediática da “Operação Marquês”, assim como da elaboração da acusação, é a de que não há realmente qualquer prova de corrupção. Dito de outro modo, seis meses depois de ter sido lançada a acusação, com dezenas, centenas ou milhares de pessoas a estarem a ler ou já terem lido esse colosso judicial, ainda não foi publicada qualquer prova (Bataglia não prova, apenas indicia, apresenta uma versão que continua a carecer de prova).

Sócrates é vítima de criminosos no Ministério Público e na comunicação social. A sua exaltação, que não é falha de carácter mas traço de personalidade, também vai aí buscar ímpeto e gana. O que vimos nos fragmentos das entrevistas confirma o que saía no esgoto a céu aberto logo no dia a seguir aos interrogatórios. O MP nada mais tinha na mão do que os envios de dinheiro para Sócrates por Carlos Santos Silva. Estes são factos. Porém, os mesmos não atestam a sua inocência ou culpabilidade. Ele poderá, no campo das possibilidades, vir a ser condenado sem margem para dúvidas. À mesma, nesse desfecho, terá sido vítima de criminosos no Ministério Público e na comunicação social. Ontem, pela primeira vez para muitos, foi possível sentir empatia pelo cidadão e pela pessoa que resiste isolada no mais odioso processo de ataque político de que há memória viva. Não sei se a SIC vai transmitir os interrogatórios de mais alguém, se até começará a transmitir execuções de condenados à morte em directo ou diferido. Sei que escreveram direito por linhas muito tortas.

Do blogue (Aspirina B)

Sem comentários:

Enviar um comentário