domingo, 10 de fevereiro de 2013

Cuidado!


Há banqueiros que podem fazer trapaças e dizer o que querem que têm quem venha em seu socorro. Não me estou a referir aos sequazes mas a jornalistas e ao governador do Banco de Portugal. Costuma-se dizer que os amigos são para as ocasiões e a prova provada está nas declarações de Carlos Costa governador do Banco de Portugal. Se há esquecimento de uns euros o fisco aplica multas superiores a esse débito, no caso de Ricardo Salgado, só faltou pedir desculpa pelo descobrimento.
Depois se alguém critica esses “esquecimentos” há quem arranje forma de saber de onde vem a crítica. Movem-se todos os cordelinhos, tipo Jorge Silva Carvalho, obtém-se os números de telefone privados e convida-se o seu dono para um encontro particular. Depois não querem que digam que estamos a voltar a Chicago na década de mil novecentos e vinte em que Al Capone mandava os seus sequazes desfazerem-se das vozes incómodas.
Em todos os séculos houve quem pretendesse dominar o Mundo. Neste, essa tarefa está destinada às agências de ranking e a bancos. 

Sem comentários:

Enviar um comentário