quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Precisamos de mais vozes assim:

Vale a pena ler o discurso que António Marinho e Pinto proferiu na abertura do ano judicial. Criticou a justiça que temos e disse que ela está ao dispor dos corruptos, de advogados que de manhã prestam serviço de advocacia e à tarde são deputados, que a reforma dos sistema judicial é uma treta e só vem desertificar o interior. Como se sabe as suas críticas são assertivas o que causa urticária à ministra da justiça. Várias vezes se coçou - vi o evento em directo na SIC Notícias - e reparei nesse facto.
Deixo o poema de José Carlos Ary dos Santos com que Marinho e Pinto finalizou o seu discurso.
Serei tudo o que disserem
por inveja ou negação:
cabeçudo dromedário
fogueira de exibição
teorema corolário
poema de mão em mão
lãzudo publicitário
malabarista cabrão.
Serei tudo o que disserem:
ADVOGADO castrado não!

Sem comentários:

Enviar um comentário