segunda-feira, 5 de março de 2018

Revisão da matéria dada:


Dos assuntos preteridos por outros afazeres, mas que merecem que a eles volte por serem significativos do sucedido ao longo da semana avultam três, sobre que passo a opinar sinteticamente:
 - a entrevista ao antigo Procurador Geral da República Pinto Monteiro foi silenciada pelos que o detestam e temem ver alterado o estado de coisas, que ele denuncia. Mormente que o Sindicato dos Magistrados - cuja existência poucos entendem por representar os que pretendem ser órgão de soberania! - atua ilegitimamente junto de quem tutela os seus «associados» para que sejam estes a tomar de assalto a condução de todo o poder judicial e, por arrasto, o do executivo e do legislativo. Olhando-se além-fronteiras, nomeadamente para a Itália e para o Brasil, e quais foram as consequências práticas de ver juízes a quererem impor-se ao poder político, importa que os partidos se concertem para cortar cerce as cabeças de uma hidra ansiosa por alcançar a ambicionada ditadura judicial.


 - a nota emitida pela Presidência da República a propósito da morte do coronel Varela Gomes confirma o que já sabíamos: é difícil a Marcelo deixar de ser quem é, ou seja, um filho e afilhado de fascistas. Chamar ditadura constitucionalizada ao salazarismo constitui uma tentativa de branquear o que não tem qualquer merecimento de perdão. E não invocar sequer a importância dos combates corajosos do antifascista agora desaparecido nos combates pela Liberdade e pela Democracia só revela a sua coincidência íntima  com o CDS, partido que contrariou o voto de pesar maioritário da Assembleia da República, mostrando-se coerente com a sua essência. Mas se Assunção Cristas e os seus comparsas julgavam, assim, enobrecer-se com a condenação da memória de Varela Gomes, bem se enganaram. Seria o coronel a ser amesquinhado se os herdeiros daqueles que sempre combateu viessem agora carpir lágrimas de crocodilo em sua intenção. Quarenta e quatro anos depois da Revolução de Abril não há que enganar: os fascistas do passado continuam a sê-lo inequivocamente no presente. E têm de ser incessantemente denunciados, neutralizados…
 - a dissociação do CDS da democracia-cristã é só a concretização da mudança nele operada por Paulo Portas. Esquecida a doutrina social da Igreja, que a própria parece fadada a esquecer tendo em conta a versão assistencialista, que gostaria de imprimir à sua ação junto dos mais pobres, escusando-se de por eles se bater politicamente de acordo com o concretizado por alguns dos seus mais prestigiados «principes » (de que parece apenas restar D. Januário Torgal!), temos o partido dos herdeiros do salazarismo a assumir-se como aquilo que é: a correia de transmissão dos interesses dos novos candidatos a Donos Disto Tudo por intermédio dos grandes escritórios de advogados, onde peroram os Lobos Xavieres, os Paulos Núncios e outros que tais.
Os três temas aqui sumariamente abordados denotam a evidência do atual momento político: na luta de classes em ebulição por causa das desigualdades, que as instituições europeias continuam a considerar exageradas em relação ao padrão médio verificado no resto da União Europeia, os desfavorecidos têm poucos a apoiá-los no seu lado da barricada, porque do outro estão os juízes, os procuradores, o Presidente da República, os partidos das direitas e, sobretudo, quem a todos eles transforma em marionetas agitadas mais ou menos freneticamente na defesa da exigência a abocanhar o melhor quinhão da riqueza nacional deixando aos demais umas meras migalhas...
Publicada por jorge rocha
No blogue (Ventos Semeados)

Sem comentários:

Enviar um comentário