terça-feira, 17 de novembro de 2015

Governo de Gestão:

Cavaco Silva numa resposta aos jornalistas na sua visita à Madeira disse que quando era Primeiro-ministro esteve com o seu governo em gestão durante cinco meses. Foi em mil novecentos e oitenta e sete que o Presidente da República na altura, Mário Soares, dissolveu a Assembleia de República e deixou o governo de Cavaco Silva em gestão. Só que nessa altura a situação do País era diferente da de hoje. Também fiquei admirado que os jornalistas que entrevistavam Cavaco Silva não lhe recordassem que a Assembleia da República estava demitida. Coisa contrária da de hoje.
A minha admiração não é tanta pois sei que a comunicação social é toda afecta a este governo. Prova disso está nas capas de todos os jornais e nenhum fazer referência a esse facto.
Senão vejamos. O que vai fazer Cavaco Silva com a Assembleia da República? Fechá-la! E com os deputados? Mandá-los para o desemprego! Não pode porque foram eleitos como Cavaco Silva o foi. Assim sendo não tem competência para isso. Se fosse há uns meses atrás tinha.
Assinaram um contrato de trabalho e assim alguém tem de lhes pagar. Cavaco Silva está na disposição de lhes pagar? Não me convenço. Pois não há muito disse que não passava de um teso. Se se lembram até usou a palavra que não passava de um reformado assim como a sua esposa e que não ganhavam para os gastos.
Também será que os deputados, pelo menos os do acordo da esquerda, vão deixar passar isto sem delongas? É evidente que não. Dos da coligação PAF não digo que sim nem que não.
Portanto revejo maus tempos para a democracia portuguesa e para a estabilidade social. Porque as Centrais Sindicais assim como a Sociedade Civil não vão deixar passar isto sem contestação.
Cavaco Silva fez as contas e não tirou as provas. E... vão ser amargas. Depois não sabe o que diz. Quando se refere a mil novecentos e oitenta e sete e dois mil e nove, como disse aos jornalistas, depois vêm os seus assessores dizerem que se estava a referir a dois mil e quatro. Mais tarde vieram os mesmos dizer que Cavaco Silva se referia a dois mil e nove. Como nos devemos acreditar na Presidência da República se não sabem o que andam a fazer. Parece que andam todos ébrios.
Cavaco Silva neste pouco tempo que lhe resta podia dar outra imagem de si próprio. Assim anda a gozar com o pagode.

Sem comentários:

Enviar um comentário