terça-feira, 30 de julho de 2013

Sejemos realistas:

Ironizaram com o inglês “técnico” de José Sócrates mas agora com este português exibido por Passos Coelho os jornalistas e comentadores calam-se. Sejemos não é uma “gaffe”. É o modo de como se conclui os estudos aos trinta e sete anos de idade. Este tempo e modo do verbo ser, (sejamos) a que Passos Coelho profere “sejemos” está na quarta pessoa do Presente Conjuntivo do verbo ser: 
Que eu seja, que tu sejas, que ele seja, que nós sejamos, que vós sejais e que eles sejam. Portanto é um erro de palmatória. A sua professora - Maria Luís Albuquerque - devia sentir vergonha por ter um ex-aluno com um vocabulário destes. É de risota geral. Há um provérbio que diz: diz-me com quem andas dir-te-ei quem és. Se Passos Coelho teve na roda dele, amigos como Miguel Relvas, como podemos exigir mais dele.  

2 comentários:

  1. Então, sua resposta a uma boa educação seria a "palmatória"? Posso ver suas mãos?

    ResponderEliminar
  2. Então, sua resposta a uma boa educação seria a "palmatória"? Posso ver suas mãos?

    ResponderEliminar