sábado, 18 de maio de 2013

A dona Rosa, os preservativos e os rebuçados:


Hoje tenho pouco apetite para escrever e escasseiam-me temas para o fazer. Dei uma volta pela internet - o meu maior passatempo - e de entre muitas notícias e textos, saltou-me aos olhos e à memória, histórias verídicas passadas por pessoas simples da nossa sociedade. São estas humildes criaturas que enriquecem o viver e simplicidade da maioria dos portugueses. 
Pena é que a maioria da comunicação social, englobo as televisões, não tenham tempo de percorrer o País à procura das muitas donas Rosas que abundam. 
Só lhes interessam as dicas e tricas, o brig brother da TVI, os maldizeres do Correio da Manhã, e textos como escreve Paula Cosme Pinto, no Expresso, passem para páginas de menor importância. Por isso aconselho a leitura do texto a seguir.
“Tive o prazer de conhecer a dona Rosa há uns dias. Tem um sorriso contagiante e uns olhos doces. Daqueles que nos deixam imediatamente à vontade. Vive num bairro tido como marginal, onde tem uma lavandaria. Na parede lê-se o seguinte:  "Aqui lavo corações e angústias, seco lágrimas, passo a ferro dores e tiro nódoas do amor, mesmo as mais difíceis". Mais verdade, impossível.
Pela cadeirinha da entrada daquele estabelecimento de decoração tosca - que a meu ver ainda o torna mais pitorescamente delicioso - passam diariamente velhinhas, adolescentes, emigrantes, prostitutas. Gente que não tem dinheiro para um psicólogo, mas que precisa de alguém que esteja disposto a ouvir. E a dona Rosa está.
Por trás do ferro de engomar industrial, que não lhe permite ouvir metade dos desabafos que ali são feitos, abana a cabeça e sorri. "Mais do que alguém que lhes dê a opinião, precisam de alguém que lhes dê atenção, um sorriso e tempo. O tempo é algo precioso". Palavras da dona Rosa que, prestes a fazer 50 anos, traz no rosto e no discurso uma sabedoria que só a vida consegue dar. "Quando estas pessoas vão embora levam consigo as suas histórias. Talvez mais resolvidas, porque verbalizaram. Mas quem as resolve são elas, não sou eu".
Preservativos, rebuçados e medicamentos
No balcão da lavandaria tem três caixas com que tenta resolver, sem palavras, alguns problemas. Uma tem preservativos, com o intuito de prevenir as muitas prostitutas da zona de contraírem doenças sexualmente transmissíveis. "Quem sou eu para fazer juízos de valor? Mas se puder evitar-lhes um problema de saúde, tanto melhor". Depois tem uma caixa de medicamentos. "Há muitos ilegais que não têm acesso a um centro de saúde. O que me custa a mim dar-lhes uma ajuda com coisas tão simples como constipações?". Por fim, uma lata com rebuçados. "As crianças merecem o melhor e um docinho sabe sempre bem".
A mim sabe-me bem encontrar nas esquinas da minha cidade mulheres como esta. Com uma consciência social muito mais coesa do que muitos dos nossos governantes e demais senhores e senhoras que são pagos - e bem pagos - para 'tratarem' dos cidadãos. A dona Rosa ajuda com o que pode e não cobra nada em troca. Ajuda por prazer, porque sabe que há pequenos gestos que são muito grandes. E se há pessoas que considero 'grandes', são pessoas como esta.”

Sem comentários:

Enviar um comentário