terça-feira, 21 de março de 2017

Não é tempo de alguém pôr ordem nisto?




























Onde está a decência destas pessoas?

Tenho estado fora do país. Mas li que velhas práticas se repetem. Depois de umas incursões noutros jornais e revistas, o Ministério Público continua alegre e impunemente a manter viva a parceria com o Correio da Manhã para a divulgação das teses que não consegue provar no que respeita à Operação Marquês. Li até, e quase não acreditei, que estavam a ser transmitidas numa televisão as gravações dos interrogatórios.
Eu diria que isto é demais e que já dura há demasiado tempo. “Eu diria”, não. Eu digo. Mas a Ministra da Justiça o que tem a dizer sobre isto? Achará bem e normal o que se está a passar com a Justiça? Com os prazos que não são prazos, mas um apontamento anedótico da lei? Os atropelos descarados ao Estado de Direito não lhe merecem um reparo? Quem é afinal o responsável por este esquema viciado, que desrespeita por completo os direitos dos arguidos, condenando antes de acusar? Nada lhe é apontado, de nada é acusado? É possível ouvir sem rir e sem agarrar no telefone a Procuradora-Geral dizer que vai abrir um inquérito interno? Não há nenhuma conversa a ter com esta senhora sobre esta matéria? O Presidente da República, que em tudo intervém, não acha que é tempo de tornar a Justiça séria, digna, imparcial, racional e, enfim, competente?
Porque o que se passa de aberrante é o seguinte: o MP prende um indivíduo porque lhe apetece, já lhe apetecia há algum tempo, instigado pelo ambiente político e por raiva corporativa, e porque entende que o povo vai adorar. A comunicação social é avisada para o “show”. Não há a mínima prova consistente para o acusar, mas isso parece não interessar. O indivíduo é mantido preso durante meses e apenas libertado a contragosto do senhor juiz, que, por ele, o manteria preso até ao fim dos seus dias. O MP, obrigado a investigar, patina nas investigações. Chamam-se então uns jornalistas e combina-se que se lhes passa um determinado material, neste caso as suas teses, suposições e desconfianças. Os jornalistas aceitam, olá se aceitam!, e publicam. Publicam, aliás, sabendo que tais teses e desconfianças devem ser lidas como verdades. Não discutem. O negócio é comprar e depois vender da maneira mais atraente. Aliás, os que menos discutem e contrapõem, e pelo contrário acentuam por todos os meios a mensagem pretendida pelo “fornecedor”, são os que terão garantido o prolongamento da parceria e, logo, maiores receitas para o seu jornal. Assim, pobres dos jornais que não queiram entrar no esquema. E triste o dia em que o esquema acabar!
O objectivo é sempre o mesmo: destruir a imagem não só do, mas também dos arguidos até já não ser possível alguém decidir pela sua inocência, sobretudo “do” arguido por excelência. Mas entretanto, o que sabemos nós do que diz Carlos Santos Silva, por exemplo, o alegado depositário da fortuna de Sócrates? Nada. Zero. Era sequer rico?? Por que razão dá o MP crédito ao que disse Helder Bataglia? O homem não estava sujeito a um mandado de captura internacional? Não estaria disposto a dizer tudo o que agradasse aos ouvidos dos procuradores para poder circular em liberdade? No meio disto tudo e para reforçar a seriedade do processo, a defesa não tem acesso ao material fornecido aos jornalistas. Não conhece o que dizem as pessoas ouvidas, não conhece a acusação. Não pode exercer os seus direitos. Acresce que a classe dos juízes ri-se em peso de cada vez que é interposto um recurso e afasta os colegas que com eles não riem. Isto é uma autêntica bandalheira. Uma pouca-vergonha. E quando a pouca-vergonha vigora na Justiça, há ou não há algo a fazer? Tem que haver.
Do blogue (Aspirina B)

Sem comentários:

Enviar um comentário