sexta-feira, 10 de março de 2017

Debate Parlamentar com insultos por parte do PSD:




O debate quinzenal com o primeiro-ministro voltou a subir de tom. Pedro Passos Coelho sentiu-se ofendido, voltou a acusar António Costa de fazer insinuações sobre o seu Governo e lançou um contra-ataque em torno do caso dos offshores.
Costa ainda tentou dizer que não há "crispação", mas já os ânimos estavam ao rubro e foi difícil seguir a sucessão de pedidos de defesa da honra pelo meio de apartes aos gritos, pateadas e aplausos.
"Não há nenhuma crispação no país, nem sequer uma crispação na Assembleia da República. O que há é uma bancada ressabiada", respondeu Costa à defesa da honra feita por Pedro Passos Coelho, gerando um novo pedido de defesa da honra da bancada social-democrata, desta vez pela voz de Luís Montenegro.
"A bancada do PSD não está ressabiada com nada. A bancada do PSD que tem 89 deputados, que a juntar com os deputados do CDS, venceram as últimas legislativas, que suportou aqui o Governo anterior, que recebeu como ponto de partida um país em pré-bancarrota e deixou o país a crescer", afirmou Montenegro, no meio de reações efusivas das várias bancadas que mal deixavam ouvir o debate.
Inflamado, Luís Montenegro subiu o tom e acusou António Costa de falta de educação.
"O primeiro-ministro é mal-educado com aquelas que aqui representam o povo", acusou o líder da bancada do PSD.
"Ainda bem que estes debates são transmitidos para todo o país e todo o país pôde ouvir manifesto enervamento a forma como se me referiu", respondeu Costa, com um ataque.
"Do líder de uma bancada que se me referiu ainda há quinze dias como sendo 'vil, ordinário, reles e soez', eu não recebo lições de boa educação", reagiu o primeiro-ministro, lembrando a forma como Passos o acusou de "baixo nível" no último debate quinzenal e depois o acusou de ser "reles e ordinário" na reunião à porta fechada da bancada social-democrata que foi relatada em vários órgãos de comunicação social.
Foi o mote para mais uma defesa da honra, desta vez pedida por Carlos César.
"Há quem se sinta e quem não se sinta ofendido em circunstâncias como a presente. O PS sente-se ofendido quando se transforma esta assembleia naquilo que ela não é ou pelo menos não devia ser, um espaço de insulto, um espaço de intolerância e um espaço de guerrilha mediática", acusou o líder da bancada do PS, que acha que "esta assembleia está confrontada com o comportamento do PSD que é insultoso para o Governo e desrespeituoso pelo trabalho parlamentar".
César lamentou mesmo que Montenegro não seja "capaz de pedir de desculpa quando insulta um primeiro-ministro".
Por esta altura, o ruído no plenário era já ensurdecedor e o momento não deixou se merecer o comentário de Catarina Martins no início da sua intervenção.
"Não fica bem a ninguém nesta Assembleia da República e ninguém percebe", afirmou a coordenadora do BE, que acha que à medida que a atual maioria se mostra mais sólida "mais sem argumentos, mais desesperada, eventualmente mais ressabiada - desculpe-me, mas tenho de o dizer - fica a bancada do PSD".
"Não estão a fazer um bom trabalho ao país", lançou a bloquista à bancada social-democrata.
"Nós no BE sempre soubemos fazer oposição com energia, não somos de paninhos quentes", começou por dizer, repudiando um debate que "ninguém percebe" e que está bem longe das preocupações concretas dos portugueses.
"Falemos Português, falemos de coisas concretas para começar", pediu Catarina Martins, depois de mais um momento de grande crispação parlamentar.

Sem comentários:

Enviar um comentário