sábado, 14 de novembro de 2015

Água mole em pedra dura tanto dá que até fura:

É verdade este provérbio simples mas que tanto traz para a humanidade. E, é assim que começo a minha crónica sobre o novo lugar que as feiras quinzenais em Freamunde, a partir de ontem, começaram a ter lugar num novo espaço.
Como é sabido - todos os Freamundenses o sabem - que a partir da decisão de doar o antigo espaço para a construção da Escola Secundária, no lugar do Outeiro, o espaço das feiras quinzenais ia tornar-se problemático. Ia ser de cedência pois tanto a Junta de Freguesia de Freamunde como a Câmara Municipal de Paços de Ferreira não tinha outro terreno seu em lugar apropriado, refiro-me bem centrado para agradar a feirantes e consumidores. Por que como se sabe uma feira não vive sem estes dois: feirantes e consumidores.
Assim, andou-se durante muito tempo ao sabor dos favores de particulares. Mas sabe-se que assim não é vida nenhuma e quem devia de ter resolvido esta situação era a antiga Junta de Freguesia de Freamunde afecta ao PSD. Pois foi nos seus mandatos que este problema surgiu. Mas parece que não interessa. Andava-se como disse à mercê do dono de terreno.
Até que chegou o dia em que a proprietária do terreno decidiu vedá-lo e não mais deixar ali realizar-se mais nenhuma feira. Houve momentos de preocupação tanto por parte dos feirantes, estes a andarem com a mobília às costas - como se diz na gíria - e os consumidores sempre à procura do seu abastecedor. Mudavam de lugar conforme o lugar em que a feira se situava.
Quando digo que não houve um interesse por parte da anterior Junta de Freguesia refiro-me a que havia um terreno cedido pela família Alves de Sousa à Junta de Freguesia do PSD, para este terreno ser incorporado no Parque de Lazer, terreno esse que confina com o referido Parque.
E daqui surgiu o tal problema que era o de andar ao sabor do proprietário do espaço a que vinha se realizando as feiras quinzenais. Como todos os Freamundenses sabem as obras, que são muitas, que deviam ocorrer no Parque de Lazer deixaram-se de se realizar por falta de verba.
Assim, aquele espaço doado pela família Alves de Sousa servia como um amontoado para entulho e lugar que servia para as Festas Sebastianas queimar o fogo-de-artifício. Mais nada ali decorria.
Portanto não houve perspicácia para uma melhor valência desse espaço. Dizem que quando foi negociada a doação do terreno ficou escrito que esse terreno só podia ser utilizado para beneficência do Parque de Lazer. Com esta situação andou a antiga Junta de Freguesia a fazer valer para que nada ali se fizesse. Desde que não houve mais obras a efectuar no Parque de Lazer, por falta de verbas, porque não houve uma melhor visão, e fosse pedido à família Alves de Sousa para ali se realizar as feiras quinzenais?
Se se andava à mercê de outro proprietário, que nunca vinha a ceder esse espaço à Junta de Freguesia - vê-se agora o diferendo que mantém com a Câmara Municipal para doar um pouco de terreno, uns metros -, para benefício de uma nova rua a construir no centro da cidade. Nada resolveram.
Com esta situação ficou a Câmara Municipal e Junta de Freguesia actuais de ter de resolver. E não demorou muito. Desde a proibição da proprietária não passou muito tempo a que Junta de Freguesia e Câmara Municipal resolvessem o que a antiga Junta de Freguesia afecta ao PSD não resolveu.
Ontem com a inauguração do novo espaço para a feira via-se os rostos sorridentes de feirantes e consumidores. Maior espaço, melhor aconchegamento. Por isso o título que dediquei a esta crónica: Água mole em pedra dura tanto dá que até fura.
E, é bem verdade. Basta haver um bom sentido do dever do serviço público.

Sem comentários:

Enviar um comentário