domingo, 26 de maio de 2013

Não se acabou a fé perdeu-se tudo:

Assim desabafou o Quim “Fala-barato” quando encontrou o João da “Isaura” e o Zé “parafuso. -  Não acredito em azares e mesinhas - disse o João da “Isaura”. É muita areia para a minha camioneta e não acredito no Jorge Jesus. Olhai! Comparo-o ao José Peseiro aqui há uns anos. Também podia ganhar tudo em que estava metido e sabeis que ganhou tanto como o Glorioso este ano: nada! Mas mesmo nada. Andou-se a alugar a Praça do Marquês de Pombal, em Lisboa, para fazer os festejos e agora quero ver quem paga o aluguer. 
- Deixa-te disso - respondeu o Quim “Fala-barato. O mal é o gozo que os Portistas nos dão. Quero lá saber quem vai pagar o aluguer!
- Também vais mesmo aos pormenores - entrou novamente na conversa o João da “Isaura” - só disse isso como metáfora. Porque sei bem que para se festejar a vitória do Campeonato ou da Taça não é preciso alugar nada. Basta o povo comparecer ali. Não vês que o Rui Rio, Presidente da Câmara Municipal do Porto, não convida para os Paços do Concelho o F. C. Porto para os homenagear mas os adeptos invadem-lhe a Avenida dos Aliados e ninguém lhes cobra nada.
- Também era melhor - argumentou o Zé “Parafuso”. Ter de pagar o aluguer numa coisa que é da cidade e o que é da cidade é do povo.
- Era melhor porquê? - Respondeu o Quim “Fala-barato”. Eles não vão para ali fazer lixo? Quem o arruma não são os empregados da Câmara? Portanto, se pagassem uma coima, nestes casos acho bem. Porque são todos os munícipes que pagam com os seus impostos e nem todos gostam de futebol e de festejos.
- Não vim aqui para falar do F. C. Porto - disse zangado o João da “ Isaura”. Já me basta estes dissabores e agora trazeis para a contenda quem dizeis que odiais. Para mim eu sei o que devia fazer o Luís Filipe Vieira: era não renovar com o Jorge Jesus, contratar um novo guarda-redes, um defesa direito e outro esquerdo e vós vias como voltávamos a ganhar o campeonato. Assim não nos queixávamos das arbitragens. Era um ver que te avias.
- Concordo contigo. - Disse o Zé “Parafuso”.
- Olha, olha - retorquiu o Quim “Fala-barato”. Assim nem é preciso treinador. Se se vai buscar tudo do melhor que há para que é preciso gastar dinheiro num treinador!
- Não! - Disse o João da “Isaura”. O Real Madrid deu tudo o que é de bom ao José Mourinho e o que é que ele fez? Nada! Aliás são os dois piores exemplos de clubes europeus.
- Quem é o outro? - Perguntou o Quim “Fala-barato.
- Estás a gozar comigo - respondeu o João da “Isaura”. O outro sabes bem que é o Benfica.  
- Isto faz-me lembrar um antigo corredor de ciclismo - exclamou o Quim “Fala-barato”. Iniciava uma fuga, andava quilómetros e quilómetro sozinho, quando via que ia ser apanhado, simulava uma queda. Ao outro dia a comunicação social dizia: se não fosse aquela queda hoje quem vestia de amarelo era o corredor fulano de tal - aqui não refiro o nome, mas quem me lê sabe a quem me refiro. Portanto e em final de conversa o Glorioso este ano faz-me lembrar esse corredor de ciclismo.
- Diz em final de conversa! - Atalhou o Zé “Parafuso”. Já sei que vais para casa e quem vai aturar essa "telha" que andas há dias vai ser tua mulher.
- Oh! Não me fales nisso - retomou o Quim “Fala-barato”. À minha cara-metade modifiquei-a em muita coisa mas o ser simpatizante do F. C. Porto é uma espinha que me está atravessada na garganta. Levei-a várias vezes a ver o Glorioso mas nem assim. Ela nestes momentos sabe o que sofro e não mete conversa. Uma vez na cama ainda tentou mas virei-lhe o cu.
- Isso foi o que ela quis! - Com isto entrou na conversa o João da “Isaura” que há um bom bocado de tempo se mantinha calado. Assim não teve de te aturar e, quando digo aturar, sabes ao que me refiro. 
- Ao rapaz já não estou para aí virado, - isso foi “chão que deu uva”. E... "ele", é como o Benfica: no princípio teso mas com o decorrer do tempo fica flácido e cai por terra sem honra e glória.

Sem comentários:

Enviar um comentário